Saturday, March 27, 2010

MENTIR RESOLVE ALGUMA COISA?

Fonte: www.ieqespacojovem.multiply.com/journal


Sl 116:11 - “Eu dizia na minha precipitação: todo homem é mentira”.

Qual é o medo que justifica a mentira? Onde foi ensinado que podemos manter junto de nós as pessoas que amamos mentindo pra elas?

MENTIRA (1) :
• Declaração feita por alguém que acredita ou suspeita que ela seja falsa, na expectativa de que os ouvintes ou leitores possam acreditar nela.
• Pode ser uma declaração falsa ou uma verdade seletiva, uma mentira por omissão.
• Uma pessoa que conta uma mentira, em especial uma pessoa que conta mentiras com freqüência, é um "mentiroso".

Embora a Bíblia nos ensine que essa prática é errada, o que se percebe é que rotineiramente se pratica esse mal de muitas formas, como por exemplo:

• Quando dizemos que estamos bem – sendo que estamos atribulados de alma;
• Quando dizemos para alguém que estamos com saudade, sendo que nem nos lembramos dessa pessoa;
• Quando dizemos que desejamos o bem de alguém, mas no nosso íntimo estamos carregados de sentimento de rancor por essa pessoa.
• Quando demonstramos um padrão social e/ou financeiro que não é a nossa realidade;
• Quando agimos como religiosos, demonstrando um padrão de santidade que não vivemos.
• Quando fazemos coisas que sabemos que não são aprovadas, porque não há ninguém por perto.

1. A MENTIRA TEM UM PAI

Jo 8.44 “Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira.”

Do ponto de vista da Palavra, quando uma pessoa mente, se coloca como filho do Diabo. Deus nos criou a Sua imagem e semelhança, a fim de que tivéssemos comunhão com Ele – sermos seus filhos.

Não podemos ter atitudes negligentes, de quem está preocupado em ser aprovado por alguém, esquecendo da pessoa mais importante: o Espírito Santo. Quando mentimos, agimos como enlaçados por Satanás e entristecemos o Espírito de Deus.

Precisamos estar atentos para não agirmos segundo a vontade do nosso maior inimigo, pois ele é que age com engano e mentiras. Não podemos permitir a sua ação contra nós e através de nós.

O Ap. Renê Terra Nova(2) ensina que Leviatã é “um governo de influência que transforma verdades em mentiras e mentiras em verdades” .

2. A MENTIRA TEM UMA REPRESENTANTE

Ap 2.20“Mas tenho contra ti o tolerares que Jezabel, mulher que se diz profetisa; ensine e engane os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria”.

No Velho Testamento Jezabel era a esposa de Acabe, mulher perigosa que perseguia a liderança estabelecida por Deus, que perseguiu o profeta Elias. Hoje, ela aparece como um espírito, que opera no nosso meio trazendo influência maligna.

Precisamos ter muito cuidado para não sermos alvos da constate necessidade de aprovação, ao ponto de mentirmos. A mentira leva outras pessoas ao erro. O Senhor reprova este comportamento.

Jr 23.32“Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, e os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com a sua vã jactância; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e eles não trazem proveito algum a este povo, diz o Senhor.”

A pessoa sob o controle de Jezabel não gosta de prestar relatórios de seus atos e não admite seus erros. Ela tem atitude de religioso. Segundo John Paul Jackson (3) , “suas ações são baseadas no que acham que as pessoas precisam ver, para se convencerem de sua espiritualidade”.

3. JESUS, A VERDADE ABSOLUTA

Jo 14.6“Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”

A essência de Jesus é a verdade. Muitas vezes vemos na Palavra Ele próprio reforçando isso ao declarar “em verdade, em verdade vos digo”.

Ele é o lugar “onde a verdade reina”, com canta Heloísa Rosa.

Nm 23.19“Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele dito, não o fará? ou, havendo falado, não o cumprirá?”

Se porventura você tiver sido alvo da mentira de alguém, libere o perdão para essa pessoa, sabendo que só em Cristo temos a verdade incondicional.

E ao contrário, se você é que tem agido dessa forma, saiba que seu comportamento separa você do Pai, e que você precisa se arrepender, confessar a Deus o seu pecado e abandoná-lo. Peça ajuda ao Espírito Santo e Ele te socorrerá, trazendo convencimento.

Ana Cunha Araújo

(1) - Wikipédia
(2) - Terra Nova, Renê. A TRAMA DE LEVIATÃ – Uma denúncia necessária ; São Paulo : Ed Semente de Vida Brasil, 2008.
(3) - Jackson, John Paul. Desmascarando o espírito de Jezabel / John Paul Jackson ; tradução Josué Ribeiro. – Rio de Janeiro : Danprewan, 2003.

Saturday, March 20, 2010

QUANTAS VEZES TEMOS QUE PERDOAR?

Cena do filme "A Paixão de Cristo". Diretor:Mel Gibson. Ano: 2004



Mt 18.21“Então Pedro, aproximando-se dele, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu hei de perdoar? Até sete?”

A nossa caminhada é repleta de situações onde somos feridos. Na grande maioria das vezes nossas dores de alma são causadas por pessoas que amamos muito, que convivem conosco no nosso dia-a-dia.

Pedro já sabendo que o perdão é uma das ordenanças de Deus para nós, e quem sabe, como uma pessoa sistemática, tratou de perguntar a Jesus quantas vezes teria que perdoar o irmão.

Da mesma forma que ele, muitas vezes queremos colocar um limite para o nosso perdão, como se pudéssemos limitar a quantidade de erros das pessoas – de que forma, se mal conseguimos limitar os nossos próprios erros?

O Senhor sempre nos surpreende com o Seu amor. Para este assunto de perdão Ele demonstra isso claramente, ao responder a pergunta de Pedro:

Mt 18.22“Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete.”

1. PRECISAMOS PERDOAR

Uma coisa que muito me chamou atenção na Palavra foi o fato de que depois de Pedro ter feito essa pergunta – talvez movido pela percepção de erros repetidos de alguém – ele próprio precisou ser perdoado por Jesus. O Mestre, que lhe orientara sobre a quantidade de perdão que deveria ser liberado, foi vítima das três vezes em que Pedro lhe negou.

Mt 26.70“Mas ele negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes.”

2. PRECISAMOS DE PERDÃO

Rm 3.10“como está escrito: Não há justo, nem sequer um.”

Segundo a Bíblia, somos todos pecadores, carecemos do favor de Deus. Mas é muito fácil considerarmos as nossas necessidades, difícil é quando temos que ficar diante daqueles que nos maltrataram e liberar o perdão.

Rm 4.7 “Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos.”

Deus quer nos ensinar a viver um novo padrão, um modelo de cura e libertação onde poderemos ser livres através do perdão. O Ap. Renê Terra Nova ensina que “se as pessoas erraram, não podemos morrer por causa delas, não podemos sofrer eternamente pelo erro do outro, ainda que nos tenha prejudicado” (1). O Eterno demonstra em Cristo que precisamos morrer para os nossos próprios valores e até para as nossas dores.

Rm 5.8“Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós.”

3. JESUS CARREGOU SOBRE SÍ O NOSSO PECADO PARA QUE PUDÉSSEMOS RECEBER PERDÃO
Mt 27.26“... mas a Jesus mandou açoitar, e o entregou para ser crucificado.”

Cena do filme "A Paixão de Cristo". Diretor: Mel Gibson. Ano: 2004

Jesus levou trinta e nove surras com azorrague, uma espécie de chicote com várias pontas e nelas, pedaços de metal e ossos.

AZORRAGUE (2):
• Instrumento de tortura usado pelos soldados na Roma Antiga.
• Era composto por oito tiras de couro. Em cada ponta dessas tiras possuía um instrumento pérfuro-cortante ou um pedaço de osso de carneiro.
• Era usado no castigo público que, em alguns casos, o condenado à morte deveria ser submetido.
Qual a implicação dessas surras? O pecado que o Mestre ia recebendo sobre si.

Nm 19.16“E todo aquele que no campo tocar alguém que tenha sido morto pela espada, ou outro cadáver, ou um osso de algum homem, ou uma sepultura, será imundo sete dias”.

Aquelas surras transferiam pecado para o Mestre!

4. O PERDÃO PROPORCIONARÁ A CURA QUE VOCÊ PRECISA

Apesar da resistência a aplicar o perdão, precisamos lembrar que na Cruz recebemos o perdão para os nossos próprios pecados. Então, porque não liberar os nossos opressores? Não podemos usar a medida da flexibilidade conosco e uma medida radical para os outros.

Sobre esse assunto, o Ap. Renê Terra Nova instrui que “quando não perdoamos alguém, colocamos essa pessoa na prisão e lá ficamos com ela” (3).
Não queira ser alguém aprisionado pela falta de perdão. Libere as pessoas que estão presas na sua vida e seja livre, tenha paz no coração e receba a cura para sua alma e até para o seu físico.

Ana Cunha Araújo
(1) - Terra Nova, Renê. Cura Interior: o presente de Deus para sarar a sua memória / Renê Terra Nova. Sao Paulo: All Print Editora, 2009. (As 10 mais em 10 anos)

(2) - Pesquisado em www.pt.wikipedia.org/wiki/Azorrague, consulta feita em 20.mar.2010.

(3) - Terra Nova, Renê. Cura Interior: o presente de Deus para sarar a sua memória / Renê Terra Nova. Sao Paulo: All Print Editora, 2009. (As 10 mais em 10 anos)

Tuesday, March 9, 2010

O NOSSO NOME É CORAGEM

Fonte: www.contributos.wordpress.com/2009/12/06/1471/

Js 1.6 a 9“Esforça-te, e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria. Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo, cuidando de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; não te desvies dela, nem para a direita nem para a esquerda, a fim de que seja as bem sucedido por onde quer que andares. Não se aparte da tua boca o livro desta lei, antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares.”

O vilão chamado medo tem rodeado muitos conquistadores, sejam pessoas citadas pela Bíblia ou não.

Josué era o servo de Moisés e por muito tempo havia caminhado sob sua autoridade. Depois da morte de seu líder Deus deu um comando a Josué para que assumisse o governo.

É natural que ele tivesse experimentado certo desconforto e insegurança – a missão era a mais importante de sua caminhada.

Da mesma forma acontece conosco: sempre que recebemos um chamado, uma incumbência podemos ser visitados pelo medo e insegurança.

Mas a palavra que foi dita a Josué é a mesma que Deus tem hoje para mim e pra você: “tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te espantes”. O Senhor é conosco, as nossas lutas são dele.

A escritora Joyce Meyer chama atenção para o fato de que “Josué deve ter sentido medo”. Ela defende esse ponto de vista justificando que Deus disse a ele repetidas vezes “Não temas”.

Quando uma criança nasce recebe de seus pais um nome, essa não é uma escolha sua. Da mesma forma acontece na caminhada com Deus, quando nos dispomos a servi-lo, Ele nos dá um nome – coragem.


  • “Coragem é resistência ao medo, domínio do medo, e não ausência do medo.”Mark Twain
Daqui pra frente, diante de gigantes você pode até experimentar o medo, mas lembre-se de buscar por Jesus, que entende tudo de alma e de fazer a opção por sentir coragem.


Para ser mais ministrado, acesse o vídeo abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=ZGGKLWheD3M


Ana Cunha Araújo

Saturday, March 6, 2010

TEMPO DE VIRAR O JOGO!

Fonte: www.josiangel.spaceblog.com.br/633899/A-DIFERENCA-ENTRE-FORCA-E-CORAGEM/

Nm 13.31 a 33“Disseram, porém, os homens que subiram com ele: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nos. Assim, perante os filhos de Israel infamaram a terra que haviam espiado, dizendo: A terra, pela qual passamos para espiá-la, é terra que devora os seus habitantes; e todo o povo que vimos nela são homens de grande estatura. Também vimos ali os nefilins, isto é, os filhos de Anaque, que são descendentes dos nefilins; éramos aos nossos olhos como gafanhotos; e assim também éramos aos seus olhos.”

O texto bíblico em questão mostra uma situação onde o povo hebreu caminhava em direção a Canaã – a terra prometida. Deus havia orientado Moisés a separar um príncipe de cada tribo para fazer parte da equipe que iria a frente, a fim de vistoriar a terra e trazer um relatório para os demais, de forma que fossem fortalecidos e continuassem a caminhada.

PRÍNCIPE - cabeça da casa de seus pais entre os milhares de Israel.

Doze príncipes, doze líderes em potencial! O natural seria que todos eles assumissem uma postura de corajosos guerreiros, no entanto, o que ficou registrado foi que a maioria deles – dez – entrou em pânico diante da terra e dos habitantes dela.

O que leva um líder em potencial a assumir uma postura adoecida e medrosa? O que precisa ser alterado nos valores para que a postura correta possa ser assumida?

No caso dos representantes de Israel, somente dois deles conseguiram manter a postura correta e responder com eficiência ao comando estabelecido. Diante do povo eles disseram: “... Subamos animosamente, e apoderemo-nos dela; porque bem poderemos prevalecer contra ela.”Nm 13.30.

Ao contrário, a fala dos outros dez líderes denunciava o nível de pavor que estava em suas almas – “éramos aos nossos olhos como gafanhotos; e assim também éramos aos seus olhos”Nm 13.33.

A autora Joyce Meyer (2008 – pp182) afirma: “O medo atormenta e impede o progresso. Faz com que as pessoas que deviam ser ousadas e ativas recuem, se escondam e sejam covardes e tímidas. O medo é um ladrão. Ele rouba o nosso destino” .

Neste caso o medo realmente roubou o destino de dez tribos – aqueles homens e sua descendência não puderam entrar em Canaã, pois morreram no deserto.

Joyce Meyer* (2008 – pp187) relata uma estória contada por um pregador, que é muito interessante: “Um pássaro sábio sabe que o espantalho é apenas um aviso. Ele anuncia que algum fruto muito suculento e delicioso está pronto para ser colhido. Existem espantalhos nos melhores jardins... Se eu for sábio, também devo olhar para os espantalhos como se fossem um convite. Cada gigante no caminho que faz com que eu me sinta um gafanhoto é apenas um espantalho acenando para mim, para mostrar-me as mais ricas bênçãos de Deus” .

Chegou o tempo da mudança, da renovação na mente que é proposta em Rm 12.2“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.

O Senhor tem grandes conquistas preparadas para nos entregar. Ele só espera que a nossa mente seja transformada e que a nossa visão seja ampliada.

Você não é um pequeno gafanhoto, e nem tão pouco um gatinho indefeso. Você foi chamado para ser filho do Leão da Tribo de Judá, aquele que venceu tudo!

Ana Cunha Araújo


*Meyer, Joyce – A mulher confiante / Joyce Meyer; traducao de Idiomas e Cia. – Belo Horizonte: Belo publicações, 2008.